Arquivo do mês: novembro 2008

Máximas do Barão de Itararé-43

barao43

Botox Eleitoreiro.

01-12-08

O mUndO é Um SonHo mAu SonHado…

matrix

Políticos & Políticas-3

pp-3

Curtos Contos-7

argenor

Argelina, na visão do Argenor, era um saco!

Sempre reclamando das coisas.

-Não, Argenor, a toalha tem que ficar dobrada pra dentro!!

-Aí não Argenor, corta na pia pra não fazer sujeira.

-Fechou a tampa Argenor?

Vinte anos de casado!!

Vinte anos de reclamação!!

Ninguém merece!!

Se pudesse, sumia.

Separar? Nem pensar.

Uma coisa que não dá pra se livrar é de ex-mulher.

Não ia pagar pensão pra bruaca. Ainda mais

sabendo que Argelina pegava dinheiro escondido da

sua carteira e guardava na poupança.

-Pelamordedeus Argenor!! Olha onde você deixou o sapato!!!

Se pelo menos alguma alma bondosa seqüestrasse a infeliz.

– Como não pensei nisso antes? Seqüestro!!

Vou me se-qües-trar!!!! Dou um susto na desgraçada,

recupero o dinheiro da poupança e volto como um herói de guerra.

Tratado a pão-de-ló!!

Naquela noite não pregou o olho planejando o próprio rapto.

Levantou mais cedo do que o normal.

Mais alegre do que o normal.

Mais rápido do que o normal.

Enquanto Argelina foi ao banheiro, colocou três

cuecas e duas camisetas na sua malinha executiva.

-Vai que a negociação é demorada, pensou .

Tomou café, resmungou um adeus e saiu deixando

a mulher a reclamar dos farelos de pão na cadeira.

No meio da tarde o telefone tocou. Argelina odiava atender.

O telefone insistiu. Argelina atendeu de mau humor.

-Alô?

-Seqüestramo seu marido!

Era o Argenor fazendo voz rouca num orelhão, com o fone

enrolado num saquinho de supermercado pra não ser reconhecido.

-Quem?

-Seu marido!

-Que marido?

-O Argenor!!

-Seqüestraram o Argenor?

-É! E queremo vinte mil pra libertar ele.

-Ele tá vivo?

-Tá ! Mas se chamá a polícia nóis apaga ele!!

-Tá bom, moço, eu pago.

Argenor sorriu e pensou convencido: – Ela me ama!!

-Mas eu quero uma prova de que ele tá vivo!

-Quer falar com o cara?

-Não! Você pode querer me enganar imitando a voz dele.

-Então o quê?

-Quero o dedo do meio da mão dele. O que tem

uma pinta com pelinho. Manda aqui pra casa que eu pago.

E desligou o telefone.

Políticos & Políticas-2

pp-2

Curtos Contos-6

marmitad

Seis da manhã.

Ponto lotado.

Gente com cara de sono.

O ônibus pára lá na frente.

A galera corre pra entrar.

Disputa um lugarzinho no coletivo.

Dificuldade da mulésta!

Povo demais!

Sacola, pacote, bolsa, criança, perna,

costa, braço, mão, cabeça, pé, guarda-chuva,

barriga, mala, pacote…tudo demais!!

Um espreme-espreme danado.

– Êh! Que troço é esse?!!! Desafasta ômi!!

– Desculpe moça! É minha marmita

procurando um forninho…